Feeds:
Artigos
Comentários

“Você pode ter todo o dinheiro do mundo, mas há algo que jamais poderá comprar: um dinossauro!”

Homer Simpson

Este post pertence a uma nova categoria aqui do blog; “Pérolas do Yahoo Repostas”. Como usuário já há bastante tempo, percebi o grande potencial cômico que as perguntas do YR possuem juntas com suas respostas mais cômicas ainda. Tá, está certo que a maioria delas são mesmo toscas, provocativas, mal educadas, insinuantes e não merecem ser respondidas. Mas, por ser um espaço democrático o YR permite tudo isso, e por uma boa causa; As pessoas ajudam umas às outras e aprendem muito lá, independentemente da forma.

Como aqui nos falamos também de meio ambiente, resolvi colocar no primeiro post essa pergunta e suas respectivas respostas;

Parece só um tipo de gozação, mas como eu acredito que toda brincadeira tem um fundo de verdade, concluo que este indivíduo realmente está surpreso com a informação de que os humanos degradam a criação do seu Deus. Espero que as respostas esdrúxulas tenham dado um ponta pé inicial na sua procura em busca da consciência ambiental.

Participei de um seminário muito interessante hoje, chamado “Turismo Ambiental – Construindo a Ecocidadania”. Além de contar como horas complementares que fazem uma falta assombrosa para a conclusão da faculdade, o seminário foi se desenrolando em um debate muito interessante sobre fatores que envolvem o produto turístico. Concluí em um ponto da palestra, que quando falamos de produto turístico, esquecemos de várias características que o envolvem como os resíduos produzidos pela hospedagem. É, o resíduo também pode ser um produto! Pois está envolvido de alguma forma no contesto do serviço turístico da hospedagem. Sendo assim, para termos dimensão de produto devemos abrir o nosso campo de visão, e enxergar além do que é aparente, para tomarmos decisões corretas na hora de consumir ou gerir um serviço.

Mas o que mais me chamou atenção e me fez pensar, foi a afirmação de um colaborador e filho dos proprietários da Quinta da Estância Grande em Viamão/RS*, que ministrou uma das palestras. Ele disse com uma sabedoria leiga, que há milhões de anos haviam alguns tipos cianobactérias que produziam oxigênio  e consumiam CO2, mas sem a produção suficiente de CO2 na atmosfera acabaram se extinguido. Hoje, outros tipos de cianobactérias fazem a mesma coisa, mas os humanos produzem CO2 o suficiente para mantê-las. Ele quis dizer que para àquela forma de vida, o CO2, que nos é tão perigoso hoje, era essencial. Sendo assim, a idéia de perigo para a vida é relativa. A terra de alguma forma vai continuar, talvez não como conhecemos, independentemente do que as cianobactérias ou os seres humano possam fazer para se autodestruir, pois a natureza sempre é mais forte e sempre se renova, com gente ou sem. Nós é que temos a audácia de dizer que o nosso jeito está correto e que nós somos as criaturas mais importantes, apenas porque somos racionais.

*A Quinta da Estância Grande em Viamão/RS, é o maior fazenda de turismo ecológico do Brasil. Eu já tive a oportunidade de visitar, e recomendo. Para mais informações acesse o site da fazenda aqui.

Por Juliano Ramos

“O homem, diante de seu comportamento no meio ambiente, não poderia ser considerado uma criatura racional”.

Eliane Regina Ferretti

Dia 25/09/2009 é uma da ta histórica, pois foi a data do lançamento da Carta aberta ao Brasil sobre mudanças climáticas em São Paulo. É como um protocolo, as empresas que aderirem e assinarem o termo se comprometem a reduzir a emissão dos gases de efeito estufa na atmosfera. Não só as empresas que aderiram  às regras, se verão obrigadas a cumprir os termos, mas as empresa que fornecem matéria a essa empresa, consequentemente também deverá  (mesmo as que não aderiram). Veja aqui.

CO2

CO2

Quem nunca ouviu àquele comercial que diz: “Compre Ipê, a gente planta árvores para você.” Pois é, será que essa empresa aderiu ao termo?

Finalmente vemos providências reais. É importante sabermos separar as empresas e corporações que realmente são ecologicamente responsáveis, daquelas que usam “o assunto da moda” * apenas como marketing.

* Aquecimento global, CO2, preservação do meio ambiente.

Por Juliano Ramos

 

“If life is a river and your heart is a boat. And just like a water baby baby born to float…”

The Corrs

Por Juliano Ramos

Saiu na edição da Época do dia 03 de agosto uma matéria com o título: “Antrpologia do iPhone” que fala sobre os hábitos e valores das populações de vários países. A Apple diz que os consumidores do já baixaram 1,5 bilhão de programas da loja online do iPhone, em um ano de existência. E diz que analisando o perfil de programas baixados no telefone, é possível se traçar um perfil dos habitantes de cada país. EX: no Brasil o primeiro em vendas, veja só, é um programinha que faz o SMARTPHONE emitir um BIP cada vez que o carro passa por um radar. Nos EUA prevalecem os DOWNLOADS de jogos. Na França, é baixada em maior quantidade uma lista de restaurantes e serviços. Veja mais aqui.

iPhone

iPhone

Acredito que os dados “antropológicos” que a Apple divulga, realmente são pouco válidos, pelo menos em países menos favorecidos como o Brasil. Como se traça um perfil de uma população por DOWNLOADS feitos por um celular que 99% das pessoas não tem condições de comprar? Fico na dúvida se a reportagem não se trata apenas de publicidade.

 Olha, respeito muito a revista Época, é uma ótima revista, mas devo dizer que a matéria soa um tanto quanto duvidosa, não deveria dignificar a tal pesquisa, e nem levá-la a sério, tampouco publicá-la (a não ser que fosse na seção se humor).